Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Ação que pede prisão de Ciro e Freixo é encaminhada ao STF

{"subsource":"done_button","uid":"01CB0315-CC18-43CC-872B-9469BBFDEAA3_1614036315920","source":"other","origin":"unknown","source_sid":"01CB0315-CC18-43CC-872B-9469BBFDEAA3_1614036555268"}

Com base na mesma fundamentação que culminou na detenção do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), o vereador Nikolas Ferreira (PRTB), de Belo Horizonte/MG, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) notícia-crime que pleiteia a prisão de Ciro Gomes (PDT) e Marcelo Freixo (PSOL).

O parlamentar publicou um vídeo nas redes sociais em que divulga provas que, segundo ele, materializam os supostos delitos cometidos pelo ex-governador do Ceará e pelo deputado do PSOL. Na petição, ele menciona ocasiões em que ambos os políticos atacaram de forma violenta o chefe do Executivo.

“Se ele [Jair Bolsonaro] tentar um golpe nós daremos a ele o destino que teve Mussolini. Eu, Ciro Gomes, assumo, como palavra de honra, que estarei na luta de um ou de dez ou de mil para dar a ele o destino de Mussolini”, afirmou Ciro Gomes, citando Benito Mussolini, ex-primeiro-ministro da Itália, que foi cruelmente assassinado em 1945 e teve seu corpo desfigurado e exibido em praça pública.

Nikolas Ferreira também acusa Marcelo Freixo por duas postagens feitas nas redes sociais. Na primeira, o deputado classifica Bolsonaro como “genocida”. Na segunda publicação, Freixo foi mais contundente e publicou a seguinte frase: “É impeachment ou morte”.

Até o fechamento desta matéria, a Suprema Corte ainda não havia deliberado sobre a ação judicial. As defesas de Ciro Gomes e Marcelo Freixo também não tinham se manifestado.

Comentários

Judiciário

Na imagem, socialista acusava senador de lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção.

Política

Decisão, segundo ele, pode ser revista dependendo da votação da proposta em 2º turno.

Política

Ex-governador do Ceará afirmou que o Brasil não tem 'boas práticas' para apresentar na COP-26.

Política

Pedetista criticou a intenção do governo federal de quebrar o monopólio da petroleira.