Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Desembargador manda soltar Milton Ribeiro e outros presos em investigação

Liminar foi concedida na tarde desta quinta.

Luis Fortes | MEC

O desembargador federal Ney Bello, do Tribunal Regional Federal (TRF-1), aceitou nesta quinta-feira (23) um habeas corpus apresentado pela defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e mandou libertá-lo.

A medida também contempla os demais presos na operação “Acesso Pago”. São eles: os pastores Arilton Moura, do Pará, e Gilmar Santos, de Brasília, além de o advogado e ex-assessor do MEC Luciano de Freitas Musse e o ex-assessor da Prefeitura de Goiânia Helder Bartolomeu.

Antes da decisão do desembargador, a defesa de Ribeiro chegou a sustentar que não teve acesso à decisão do juiz Renato Borelli.

— Num Estado Democrático de Direito ninguém é preso sem o devido acesso à decisão que lhe conduz ao cárcere, pelo motivo óbvio de que é impossível se defender daquilo que não se sabe o que é — diz trecho da decisão, que é uma liminar e vale até o julgamento do caso pela Terceira Turma do TRF-1.

Ney Bello não determinou a aplicação de nenhum medida alternativa à prisão, como o uso de tornozeleira eletrônica, por exemplo.

O que diz a defesa

O advogado Daniel Bialski, que defende o ex-ministro, comemorou o parecer.

— Nesta decisão, felizmente, a ilegalidade foi reconhecida e a prisão revogada. A defesa aguarda o trâmite e a conclusão do inquérito, quando espera que será reconhecida a inocência do ex-ministro — afirmou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Defesa de Milton Ribeiro afirma que recebeu com surpresa a decisão.

Governo

Presidente afirma que segue confiando em ex-ministro investigado pela PF.

Política

Operação 'Acesso Pago' investiga a prática de tráfico de influência e corrupção no MEC.

Mundo

Corporação investiga possível tráfico de influência e corrupção na liberação de verbas do MEC.