Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Justiça do Trabalho retira poderes de Sérgio Camargo na Fundação Palmares

Decisão prevê que gestão de pessoas será feita pelo presidente Jair Bolsonaro ou por pessoa indicada.

Fundação Palmares | Divulgação

A 21ª Vara do Trabalho de Brasília decretou, nesta segunda-feira (11), que o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, se abstenha de participar da gestão de pessoas no órgão.

Com isso, ele fica impedido de nomear ou exonerar funcionários, ato que poderá ser feito apenas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ou por alguma autoridade indicada pelo chefe do Executivo.

A determinação judicial atende parcialmente um pedido ajuizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Na ação, Camargo é acusado de perseguição político-ideológica, discriminação e tratamento desrespeitoso.

De acordo com o juiz do caso, Gustavo Carvalho Chehab, o chefe da entidade também não poderá se manifestar contra funcionários nas redes sociais dos perfis institucionais. Para ter acesso à íntegra da decisão, clique aqui.

Na prática, o presidente da Fundação Palmares fica proibido de executar qualquer um dos seguintes atos: nomeação, cessão, transferência, remoção, movimentação, devolução, requisição, redistribuição, designação, aplicação de sanção disciplinar e exoneração.

A equipe do Conexão Política tenta contato com a defesa de Camargo e com o Palácio do Planalto, que ainda não tinham se manifestado até o fechamento desta matéria. O espaço segue aberto.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Novas diretrizes para realização das provas foram divulgadas em ato normativo do CNJ.

Judiciário

Cidade da Baixada Fluminense foi a primeira a retirar obrigatoriedade do item.

Mundo

Político gastou quase o dobro dos quase R$ 140 milhões permitidos pela lei eleitoral francesa.

Judiciário

STJ aceitou denúncia contra Wilson Lima e mais 13 pessoas.