Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

PGR irá se manifestar sobre denúncia contra Renan por propina da Odebrecht

Para o magistrado, discussão sobre indiciamento do senador não impede o prosseguimento do caso.

Fábio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), estabeleceu prazo de 15 dias para a Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar se irá apresentar denúncia contra o senador Renan Calheiros (MDB-AL) por suposta propina da empreiteira Odebrecht.

Fachin determinou que a PGR avalie o relatório final apresentado pela Polícia Federal (PF), que indiciou o congressista por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com o jornal O Globo, a acusação é referente a um suposto recebimento de propina da empreiteira em razão da construção de embarcações do Estaleiro Rio Tietê.

Em agosto, a PGR apontou que a PF não poderia indiciar autoridades com foro privilegiado e, consequentemente, pediu ao STF para anular o indiciamento.

A Procuradoria pediu ainda que o delegado responsável pelo indiciamento, Vinicius Venturini, fosse investigado por suspeita de abuso de autoridade.

A PF, por sua vez, disse ao Supremo que o regramento legal autoriza o indiciamento.

O outro lado

Apesar das graves acusações, o senador Renan Calheiros entende que a ação é uma perseguição política por ele ser relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Últimas

Senador acusou o adversário de 'bater a carteira de governadores' ao pautar mudanças no ICMS.

Política

Presidente recorreu à PGR após ação ser rejeitada pelo Supremo.

Política

Ação protocolada por presidente foi rejeitada no Supremo Tribunal Federal.

Congresso

Rivais na eleição em Alagoas, congressistas trocaram farpas por meio das redes sociais.