Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

PGR irá se manifestar sobre denúncia contra Renan por propina da Odebrecht

Para o magistrado, discussão sobre indiciamento do senador não impede o prosseguimento do caso.

Fábio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), estabeleceu prazo de 15 dias para a Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar se irá apresentar denúncia contra o senador Renan Calheiros (MDB-AL) por suposta propina da empreiteira Odebrecht.

Fachin determinou que a PGR avalie o relatório final apresentado pela Polícia Federal (PF), que indiciou o congressista por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com o jornal O Globo, a acusação é referente a um suposto recebimento de propina da empreiteira em razão da construção de embarcações do Estaleiro Rio Tietê.

Em agosto, a PGR apontou que a PF não poderia indiciar autoridades com foro privilegiado e, consequentemente, pediu ao STF para anular o indiciamento.

A Procuradoria pediu ainda que o delegado responsável pelo indiciamento, Vinicius Venturini, fosse investigado por suspeita de abuso de autoridade.

A PF, por sua vez, disse ao Supremo que o regramento legal autoriza o indiciamento.

O outro lado

Apesar das graves acusações, o senador Renan Calheiros entende que a ação é uma perseguição política por ele ser relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Congressistas também encaminharam o parecer ao procurador-geral da República.

Congresso

Parlamentares querem a derrubada dos perfis do chefe do Executivo.

Congresso

Senador é acusado de ter recebido R$ 1 milhão em propina da empresa em 2012.

Congresso

Relatório final da CPI deve constar o líder do governo na Câmara.