Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

STF começa a julgar ação da esquerda contra Marco do Saneamento Básico

PDT, PCB e PSOL questionam dispositivos da lei sancionada em julho de 2020.

Fellipe Sampaio | SCO | STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta última quarta-feira (24) a constitucionalidade de dispositivos do Marco Legal do Saneamento Básico, que foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro em julho do ano passado.

No primeiro dia de julgamento, os ministros ouviram as sustentações orais dos advogados das partes envolvidas na discussão.

Na sessão desta quinta (25), haverá a manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), além do voto do relator, ministro Luiz Fux, e dos demais integrantes da Corte.

O marco prevê a universalização dos serviços de água e esgoto até 2033 e viabiliza a injeção de mais investimentos privados nos serviços de saneamento.

O processo foi ajuizado pelos partidos PDT, PCB e o PSOL. Segundo as legendas, as regras induzem empresas privadas de saneamento e fornecimento de água a participarem de licitações em locais onde as estatais que realizam os serviços não apresentam prejuízos, deixando as companhias deficitárias sob a responsabilidade de estados e municípios.

Ainda de acordo com as siglas, a medida pode penalizar a população pobre e criar um monopólio no setor.

Durante o julgamento, a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu a constitucionalidade do marco. Segundo o órgão, a lei buscou reduzir a ineficiência do setor e possibilitou a estimativa de investimento de R$ 357 bilhões no setor até 2033.

Segundo o o advogado-geral da União, Bruno Bianco, 46,8% da população brasileira não tem acesso ao tratamento de esgoto e a perda de água na distribuição é de 38,5%.

“Quase metade de população brasileira não tem acesso a esgoto sanitário. E mesmo quando há esse acesso, a mera existência da rede coletora não garante o correto tratamento do esgoto. Esse índice é absolutamente alarmante, ele é triste, especialmente se nós considerarmos a relação intrínseca entre a saúde da população e as condições de saneamento básico”, declarou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Presidente da CCJ não definiu data, mas arguição deve ocorrer na semana que vem.

Últimas

Ministro determinou avaliação de saúde do ex-médico, condenado por diversos estupros.

Judiciário

Pedido de vista de Ricardo Lewandowski adiou julgamento.

Congresso

Revogação da PEC da Bengala foi aprovada na CCJ e seguirá para comissão especial.