Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

STF forma maioria para arquivar investigação sobre Michelle Bolsonaro

Marcos Corrêa | PR

A maioria dos integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) votou para arquivar um pedido de investigação contra Michelle Bolsonaro sobre cheques depositados pelo ex-assessor Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama.

Os ministros Alexandre de Moraes, Kassio Nunes Marques, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski acompanharam o entendimento do relator, Marco Aurélio Mello.

A notícia-crime foi ajuizada pelo advogado Ricardo Bretanha Schmidt. Na petição inicial, ele atribui ao presidente Jair Bolsonaro o crime de peculato, que é a subtração ou desvio de dinheiro público.

Para arquivar a representação, Marco Aurélio seguiu a manifestação da Procuradoria-Geral República (PGR), que apontou incompetência do jurista para figurar no polo ativo da demanda judicial.

“A rigor, a notícia da prática criminosa deveria ser dada à autoridade policial ou ao Ministério Público Federal, titular de uma possível ação penal pública incondicionada. Mas parece que repercute mais vir ao Supremo”, escreveu o decano.

Augusto Aras afirmou, em seu parecer, que os argumentos contra o chefe do Executivo “são inidôneos, por ora, para ensejar a deflagração de investigação criminal, face à ausência de lastro probatório mínimo”.

Para a PGR, as movimentações financeiras de Queiroz já são alvo de investigação no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) que, no entanto, não comunicou indícios de crimes envolvendo o presidente ou a mulher dele.

Clique AQUI para ler o voto do ministro Marco Aurélio.

Clique AQUI pra ler o parecer do procurador-geral Augusto Aras.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Atividades serão realizadas alternadamente nas cidades de Moscou e Brasília.

Política

Petição foi apresentada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos.

Últimas

Desconto maior de 92% da dívida valerá para 548 mil contratos

Judiciário

Rede social vem sendo criticada por usuários de espectro político de esquerda.