Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

CGU vai investigar ‘supernotificações’ de mortes por Covid-19, diz Bolsonaro

Estados podem ter inflado números de óbitos na pandemia, de acordo com o presidente.

(Brasília - DF, 24/03/2020) Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro em Rede Nacional de Rádio e Televisão. Foto: Isac Nóbrega/PR

Após admitir que o Tribunal de Contas da União (TCU) não fez relatório sobre mortes por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (8) que a Controladoria-Geral da União (CGU) vai investigar o que, segundo ele, são ‘fortes indícios’ de ‘supernotificação’.

Ontem, ao negar a existência de relatório que questionaria o número de mortes pela doença no Brasil, o chefe do Executivo declarou:

“O TCU está certo. Eu errei quando falei tabela. O certo é acórdão. O que acontece? Tem uma lei complementar do ano passado que diz que a distribuição de verbas do governo federal para estados leva-se em conta alguns critérios. O mais importante era a incidência de Covid. E o próprio TCU dizia o que? Que essa lei complementar poderia incentivar uma prática não desejável da supernotificação de Covid para aquele estado ter mais recurso”, declarou Bolsonaro.

Apesar disso, o mandatário frisou que o governo federal “vai para cima” de estados para apurar possíveis supernotificações.

“Acho que agora está justificado o que foi falado. A gente pode errar. E eu não tenho compromisso com o erro. Não tem problema nenhuma. Agora, nós vamos para cima agora, para exatamente apurar quais estados fizeram supernotificação em busca de mais dinheiro”, completou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Empreendimento tem cerca de 11 pesquisadores trabalhando em três países.

Saúde

Ministério da Saúde avalia que Ômicron pode se tornar predominante, mas menos letal.

Judiciário

Programa teria como foco a 'prevenção, resgate e manutenção da saúde de autoridades e servidores' da Corte.

Judiciário

Caberá aos profissionais prestar 'assistência fisioterapêutica, individual ou coletiva'.