Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Escolas de samba do Rio aguardam verba prometida por Eduardo Paes

Recursos da prefeitura para os desfiles foram cortados na gestão de Marcelo Crivella.

Fernando Frazão | Agência Brasil

O surgimento da variante Ômicron colocou em dúvida a retomada das festas populares em todo o país. Conforme noticiado pelo Conexão Política, diversas cidades cancelaram os eventos ou estão em dúvida acerca da realização dos mesmos.

Com o Carnaval do Rio de Janeiro o impasse também se mostra presente. As escolas estão tocando os trabalhos na esperança de que, quando chegar a hora, a festividade será mantida.

Em 2020, apesar de o Carnaval ter sido realizado, as escolas ficaram sem os recursos que a prefeitura tradicionalmente destinava às agremiações para a produção dos desfiles, após uma decisão tomada pelo então prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

Com a chegada de Eduardo Paes (PSD) ao Executivo, a expectativa da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESE) é ter o apoio financeiro da gestão municipal.

De acordo com Jorge Perlingeiro, presidente da LIESA, Paes prometeu aos manda-chuvas das agremiações que o Carnaval teria ajuda por parte do Estado.

Ainda não se sabe quanto será a verba destinada e/ou prometida. Atualmente, o trabalho nos barracões é tocado com recursos do contrato de transmissão com a Rede Globo e da receita da venda de ingressos e espaços de camarotes e frisas no Sambódromo.

“O prefeito prometeu pra gente que a prefeitura voltará a nos ajudar com o Carnaval. Estamos na esperança de que esses recursos cheguem em quinze dias no máximo”, declarou Perlingeiro à coluna Radar.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Eduardo Paes afirmou estar pensando em seguir exemplo de cidade canadense.

Economia

Procura tem sido recorde, informa a liga das escolas de samba.

Política

Prefeito já deixou claro que usará o poder do Estado para "criar dificuldades" para quem não quiser tomar a substância.

Política

Novas determinações valerão a partir de setembro e foram publicadas hoje no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro.