Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

A máscara por trás da imprensa

Imagem: Divulgação | Conexão Política

É sabido por todo profissional de jornalismo o princípio da imparcialidade, em que não se pode tomar parte ou partido da narrativa, tornando assim uma matéria tendenciosa. Há o compromisso com a verdade acima de tudo e de todos. Mas nem sempre é isso o que ocorre, principalmente no contexto político.

Além de um veículo de comunicação, a mídia é também um veículo comercial, havendo assim uma subsistência para se manter a função. O que não é de forma alguma errado, mas sim a venda dos princípios, a adoção da irresponsabilidade na arte de informar e influenciar pessoas em função de tal.

Dito isso, é possível entrar no mérito do porque nem sempre a imparcialidade é colocada em prática.

Para começar, um raciocínio simples — o que não é comercializável não é rentável. Eis então um dos motivos do sensacionalismo contido de forma frequente na imprensa, e também o porquê muitas vezes utilizam apenas de meia verdade.

Além disso, sabemos da existência de patrocínios obscuros à imprensa – Vide Soros (nome já muito conhecido por nós conservadores), e propagandas governamentais — o que já propicia mais de meio caminho andado para tendências esquerdistas e floreamento de informações.

Coisa também não muito dificultosa, tendo em vista que as universidades de jornalismo são o antro do esquerdismo, logo, tudo o que se é ensinado é colocado em prática na profissão pelos zumbis ideológicos com poder de voz.

Mas pior que a tendência em si, é para qual finalidade ela é aplicada.

Como tudo na vida é política, farei uma analogia entre direita e esquerda — a direita é a verdade, a esquerda a manipulação e a mentira.

A mídia hoje é esquerdista. Não apenas por se enquadrar nessas qualidades, mas também por se propor à baixeza de não cumprir o seu papel em função da lucratividade.

Jornalistas hoje estão cada vez menos preparados, cegos pela militância, vide o programa Roda Viva com Jair Bolsonaro no dia 30 de julho.

Fazendo um paralelo com o contexto geral, profissionais com suas tendências e clichês na ponta da língua – e as dissimuladas opiniões travestidas de perguntas – , jornalistas que citam Wikipédia como fonte, profissionais que já possuem um histórico de aversão para com o entrevistado (o que ao meu ver já o deveria colocar automaticamente em suspeição para não desempenhar tal tarefa), e por isso deixam o profissionalismo de lado.

Esse ciclo vicioso de manipulação de informações acaba servindo de embasamento à outros jornalistas numa ocasião futura, falácias viram jurisprudência, e dessa forma a classe acaba por cada vez mais se blindar em dissimulações e por assim não desempenhar o seu papel corretamente.

No jornalismo atual a verdade não importa, mas sim execrar o seu inimigo político.

Então, você que está lendo pode perguntar, “mas qual seria a solução para esse cenário?” – E ao meu ver é muito simples – Mais amor à profissão e a verdade.

Com esses dois princípios básicos é mais que seguro que teríamos uma melhora significativa no jornalismo.

Mas enquanto isso não ocorre, essa é a mídia de hoje, que vive o seu pior momento.

Comentários

Jornal digital comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | FALE CONOSCO: contato@conexaopolitica.com.br

Judiciário

Medida foi tomada em razão do aumento de casos de covid-19 no DF.

Judiciário

Proposta de controle da mídia é defendida pelo ex-presidente Lula.

Congresso

Proposta de urgência foi rejeitada pelo plenário na semana passada.

Política

Plataformas digitais manifestam preocupação sobre avanço do projeto.