Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Coluna

Chinesa Huawei enfrentará as consequências após a crise de coronavírus

Huawei

Em um momento em que a China tenta forçar a tecnologia 5G da Huawei “goela abaixo” em vários países que estão enfrentando a crise do coronavírus chinês, a gigante de tecnologia parece ter subitamente se deparado com problemas, quando o sentimento político começou a se voltar contra ela.

A Ditadura de Xi Jinping esperava que sua “diplomacia das máscaras” fosse bem-sucedida em fazer com que os países que precisam muito de máscaras, EPIs e outros equipamentos médicos aceitassem a tecnologia 5G da Huawei.

Até o momento, a China é a única economia que começou a funcionar novamente e, em um momento em que o mundo inteiro está enfrentando uma escassez de suprimentos médicos, a China quer capitalizar a situação e expandir seus tentáculos geopolíticos.

A China fez algumas incursões iniciais com o Reino Unido, que havia decidido atribuir à gigante chinesa de telecomunicações Huawei um papel limitado, e a França e a Alemanha, ambas afetadas profundamente pela crise do vírus chinês, também pareciam estar seguindo o mesmo caminho.

A China parece estar obrigando os países atingidos pela crise a aceitar a Huawei, mas agora a pressão política internacional está aumentando.

O Reino Unido avisou recentemente que “haverá um acerto de contas com a China” sobre o manuseio do coronavírus, insinuando que a China precisava enfrentar as consequências e ser punida. Esse sentimento será alimentado ainda mais agora que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está infectado com o vírus chinês.

Os recentes desenvolvimentos encorajarão parlamentares britânicos conservadores que têm exigido que nenhuma empresa chinesa seja autorizada a participar da infraestrutura vital do Reino Unido. Também foi relatado que o Reino Unido cancelará seu contrato de serviço 5G da líder chinesa Huawei.

A estratégia chinesa de empurrar a Huawei ao mundo durante uma crise global nunca foi algo que poderia ser facilmente bem-sucedido. Inicialmente, era o porta-voz do Partido comunista Chinês (PCCh), o Global Times, que ameaçava cortar os suprimentos médicos necessários se as restrições à Huawei não fossem suspensas.

O site de notícias Global Times citou uma autoridade chinesa dizendo: “A iniciativa dos EUA de restringir as vendas de tecnologia à Huawei pode sair pela culatra em meio ao COVID-19, já que a China pode proibir a exportação de máscaras faciais e outros equipamentos médicos para os EUA”.

A China lançou uma grande campanha de relações públicas tentando se mostrar como um “salvador do mundo”, mas ao mesmo tempo, o ditador chinês Xi Jinping estava dizendo ao presidente francês Emmanuel Macron que a China só forneceria máscaras se a França aceitasse a tecnologia 5G da Huawei.

O CEO da Huawei, Eric Xu, e o governo comunista chinês têm uma meta: levar a principal empresa de telecomunicações chinesa para o máximo de países possível. Mas o que eles não percebem é que o surto de COVID-19 e a ” diplomacia das máscaras” não significa que problemas técnicos e de segurança não persistem mais.

A gigante chinesa de telecomunicações foi banida pelos EUA e por outros países, incluindo os europeus, devido a preocupações legítimas de segurança e acusações de espionagem contra a Huawei.

De fato, isso tornará a atmosfera política ainda mais hostil para a tecnologia 5G da Huawei.

O massivo esforço das relações públicas do governo comunista da China para recuperar todo o poder brando que perdeu poderá ser reduzido a pó, dada a maneira irresponsável pela qual está causando uma infração à soberania de vários países, pressionando-os em meio à crise do vírus chinês.

 

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Segundo Pequim, autoridades japonesas 'se comportaram mal' ao falar sobre as tensões na região.

Mundo

Ministério da Defesa taiwanês diz que China lançou 11 mísseis em águas perto da ilha.

Mundo

Ministério das Relações Exteriores russo pede aos EUA que reconheçam 'nova realidade geopolítica'.

Mundo

Há expectativa de que a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, visite a ilha.

----- CLEVER ADS -----