Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Twitter diz que decisão de Moraes fere ‘liberdade de expressão’ e avisa que irá recorrer do bloqueio de perfis pró-Bolsonaro

Conforme noticiado pelo Conexão Política, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira (30) que o Twitter faça a exclusão de 16 contas de aliados do presidente Jair Bolsonaro investigados no âmbito do inquérito das ‘fake news’.

A medida foi tomada após alguns dos investigados pela Corte conseguirem driblar a censura mudando as configurações de localização das contas para outros países, o que fez com que as mensagens publicadas continuassem aparecendo aos seguidores.

TWITTER PROTESTA

Após o banimento dos perfis, o Twitter Brasil emitiu nota oficial.

Segundo a plataforma, a decisão de Moraes foi ‘desproporcional’ por ferir a ‘liberdade de expressão vigente no Brasil’.

A empresa afirma que irá recorrer da decisão.

“O Twitter bloqueou as contas para atender uma ordem judicial proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF). Embora não caiba ao Twitter defender a legalidade do conteúdo postado ou a conduta das pessoas impactadas pela referida ordem, a empresa considera a determinação desproporcional sob a ótica do regime de liberdade de expressão vigente no Brasil e, por isso, irá recorrer da decisão de bloqueio”, diz a rede social.

Foram bloqueadas as contas de Roberto Jefferson, Luciano Hang, Edgard Corona, Otávio Fakhoury, Edson Salomão, Rodrigo Barbosa Ribeiro, Bernardo Kuster, Allan dos Santos, Winston Rodrigues Lima, Reynaldo Bianchi Júnior, Enzo Leonardo Momenti, Marcos Dominguez Bellizia, Sara Winter, Eduardo Fabris Portella, Marcelo Stachin e Rafael Moreno.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Internautas fazem piada sobre o ocorrido.

Judiciário

Rede sociais se manifestaram no inquérito sigiloso que apura supostos atos antidemocráticos.

Judiciário

Ministro pediu mais tempo para decidir; julgamento começou em 26 de agosto.

Política

Presidente participou de manifestação em São Paulo.